Mario Dal Maso

Reativação da economia são efeitos da normalização do crédito no País


Se a economia brasileira vem apresentando sinais de reativação, mesmo sem muita vitalidade e de modo descontínuo, é, em boa medida, graças a certa normalização do quadro do crédito no País desde o ano passado. Primeiro voltaram a fluir as concessões às famílias e mais recentemente àquelas às empresas. Em abril de 2018, a alta das concessões às pessoas físicas foi de 19,1% ante abr/17 e daquelas às pessoas jurídicas de 26,5%, já descontada a inflação medida pelo IPCA. Com isso, o total das concessões subiu 22,3%.

O acentuado declínio da taxa básica de juros (Selic) entre outubro de 2016 e maio de 2018 contribuiu para a melhora das condições de financiamento da economia. Outro fator a bloquear uma melhora adicional do quadro do crédito e, consequentemente, o ganho de velocidade da recuperação econômica tem sido a evolução do crédito direcionado, que geralmente atende a decisões de investir (em imóveis, em maquinário, etc). As concessões reais acumuladas de janeiro a abril de 2018 registraram queda de 5,8% na comparação interanual. Por isso, a melhora no quadro do crédito decorre apenas do crédito livre, cujas condições são livremente pactuadas entre credores e tomadores: alta de 14,7% em jan-abr/18.
 

 

< Voltar



Mario Dal Maso - 2017 © Todos os direitos reservados

Desenvolvimento: Predicado Comunicação